Conteúdo giro180

Varejo de moda ensaia recuperação pós-pandemia

Varejo180

12 de novembro de 2021

A moda vive recuperação acelerada no pós-pandemia, com grandes conglomerados do setor acumulando ganhos de receita e alta nas vendas. O principal motivo é a reabertura do comércio físico e pelo e-commerce, que ganhou robustez durante a pandemia. É o caso de gigantes como a Inditex, controladora da Zara, e a LVMH, holding que inclui Louis Vuitton, Givenchy, Fendi e Loewe. Entre as táticas das empresas para impulsionar compras on-line estão fornecer provadores virtuais, prazos de devolução maiores, fretes grátis e cashback, devolução de parte do valor da compra. O investimento em publicidade e estratégias de vendas para interações virtuais com consumidores têm crescido como consequência do isolamento social e da cultura dos influenciadores digitais. Live Shops divulgam peças em transmissões ao vivo e marcas investem no uso criativo de tecnologia 3D, e na realidade aumentada para desfiles audiovisuais que substituem amostras presenciais de coleções.

Eis os destaques dos principais conglomerados:

INDITEX

A empresa espanhola domina o mercado fast fashion com a Zara, fundada em 1974, e, segundo o site Fashion United, tem capitalização de mercado de US$ 111,1 bilhões.

O balanço comercial mais recente, de setembro, mostra que o conglomerado obteve € 1,27 bilhão de lucro líquido no 1° semestre de 2021. A receita líquida foi de € 11,93 bilhões, uma alta de 48,5% em relação ao mesmo período em 2020 e uma recuperação do prejuízo que a pandemia causou. Eis a íntegra do balanço. A Zara liderou a receita do grupo, com € 8,48 bilhões em vendas. O segmento on-line registrou aumento de vendas de 36% ante 2020 e 137% ante 2019. Por lá, o comércio virtual já corresponde a 25% do total de vendas do grupo.

Com a reabertura, 9 em cada 10 lojas da Zara já estão abertas. As vendas cresceram 51% ante 1° semestre de 2020 e 7% ao de 2019. De agosto a 9 de setembro, as vendas subiram 22% em 2020 e 9% em 2019, durante o mesmo período….

NIKE

Com uma capitalização de mercado avaliada em US$ 92,8 bilhões, a multinacional norte-americana com foco em streetwear, roupas e equipamentos esportivos teve crescimento de lucro de 23%, que equivale a US$ 1,87 bilhão, em lucro líquido no 1° trimestre fiscal em comparação ao mesmo intervalo em 2020. Eis a íntegra do balanço (73 KB).
A receita divisão da Converse, criadora dos tênis All Star, subiu para 16%, ou 12,25 bilhões, comparada a 2020. Já as da marca esportiva Nike cresceram 12%, ou US$ 11,6 bilhões.

Uma razão para o sucesso é o foco em vendas diretas, com o app Nike Direct. A receita nesse modelo comercial cresceu 28%, ou US$ 4,7 bilhões. Já as vendas em lojas físicas cresceram 24% e alcançaram níveis pré-pandemia….

LVMH

A francesa Louis Vuitton Moët Hennessy, dona de grifes de alta costura como Louis Vuitton e Givenchy, lidera o mercado de luxo em setores além do vestuário. Controlam também joalherias como Bulgari e Tiffany Co e empresas de bebidas, como a Moët & Chandon.

Com um total de US$ 84,8 bilhões de capitalização, o grupo obteve € 44,2 bilhões de receita nos primeiros 9 meses de 2021, alta de 44,2% em relação a 2020.

O setor de vestuário e produtos de couro liderou o faturamento com € 21,3 bilhões e uma alta de 57% ante 2020 e 38% ante 2019.

O relatório financeiro mais recente apontou o sucesso de desfiles e coleções da Louis Vuitton, Christian Dior, Fendi, Loewe e Marc Jacobs como a causa dos resultados positivos. Eis a íntegra (250 KB).

TJX COMPANIES

A rede norte-americana de lojas de departamentos a preços populares não tem lojas ou entrega para o Brasil. Mas a capitalização de mercado é de US$ 49,1 bilhões nas regiões onde atua, EUA, Canadá e países da Europa. Entre as marcas do conglomerado estão a Macy’s, de tíquete médio mais alto, e a TJ Maxx.

No último balanço comercial, a empresa explicou que adotou uma métrica diferente para medir os números das lojas durante a pandemia, quando muitas tiveram um fechamento temporário. Durante as restrições, 3% das lojas fecharam, o que resultou em US$ 300 milhões a US$ 350 milhões em vendas perdidas. Eis a íntegra (77 KB).

O total de vendas, comparado às lojas somente enquanto estavam abertas, subiu 20% durante o 2° trimestre do ano fiscal de 2022 (de maio  julho deste ano) ante 2020. Já as vendas líquidas aumentaram 23%, chegando a US$ 12,1 bilhões. O lucro total subiu US$ 336 milhões e chegou a US$ 1,5 bilhão, um aumento de 29% comparado a 2020.

A Marmaxx, divisão que engloba as lojas de departamentos TJ Maxx nos EUA, liderou o lucro da companhia com US$ 7,3 bilhões em vendas líquidas, uma alta de 18% em relação a 2020.

H&M

A sueca H&M, principal concorrente das gigantes Zara e Shein pelo topo do mercado de fast fashion e avaliada em US$ 44,4 bilhões de capitalização. No balanço que cobre os últimos 3 trimestres de 2021, a companhia divulgou que as vendas líquidas cresceram 13% ante 2020. No 3° trimestre isolado, o valor é de 14%, ou 5,58 bilhões de coroas suecas (R$ 3,5 bilhões). Eis a íntegra (1 MB). O lucro líquido, depois de impostos, cresceu 158% ante 2020 e chegou a 6,38 bilhões de coroas suecas (R$ 4,06 bilhões).

Apesar da reabertura de 80 lojas, outras 100 continuam fechadas. Como as vendas on-line subiram 22% em moedas locais, a companhia planeja a abertura de lojas virtuais no Chile, ainda em 2021, Peru, Colômbia e Uruguai, até o 1° semestre de 2022. Também investem em novas funcionalidades que criem integração entre ambos os modelos de compra, como um programa de fidelidade com foco em sustentabilidade; novas formas de pagamento, como pagar depois; entregas expressas para mais locais, entre outros.

PERSPECTIVA PARA O FUTURO

Sairá na frente no setor de moda quem souber capitalizar tendências de moda ambientalmente sustentável, afirma a consultora de marketing e imagem pessoal Alessandra Campanha. “Sustentabilidade não é mais uma opção, é uma demanda política, econômica e de mercado. Mas apenas os empresários que estiverem prontos para se adaptar com rapidez conseguirão se manter”, diz. Campanha lista outras tendências e tecnologias que devem modificar os processos de criação e consumo da moda.

Entre elas:

tecidos multifuncionais que não sujam;

fibras que transmitem dados corporais como batimentos cardíacos ou temperatura para o celular ou para smart watches;

opções menos poluentes, como pigmentos secretados por bactérias, couro de cogumelos e seda feita por aranhas.

Outra tendência já vinha ganhando espaço, mas se acentuou durante a pandemia: a menor dependência das lojas físicas. “Esses pontos de venda se transformarão em um local de experimentação”, afirma. É o caso das lojas conceito, pop-ups ou que oferecem experiências para o consumidor em meio às araras e gôndolas.

Por Victor Borges e Juan Nicacio
Publicado originalmente: Poder360